Queijo Vegan de Castanha de Caju com Açafrão das Indias, Tomilho e Orégãos


Durante estes dias tenho estado a cozinhar e a experimentar novas receitas de " queijos vegan". No entanto, apesar da minha vontade em cozinhar estas receitas, nunca fui muito apreciadora deste ingrediente tão apetecível para tantas pessoas. 

É que gosto especialmente de cajús, do seu sabor, da sua textura meio salgada meio doce, e como é um alimento que tem inúmeros benefícios para a nossa saúde sendo muito rica em nutrientes, resolvi fazer de novo uma receita que incluísse não somente esta oleaginosa mas também que pudesse incluir outros ingredientes diferentes. 

E desde que descobri, que se podem fazer "queijos" vegan de tudo e mais alguma coisa, que tenho estado a experienciar novas alternativas, sabores, texturas e cores destes tão saborosos "queijos".

Entretanto, acabei por fazer uma receita que já coloquei aqui no blog de queijo vegan com caju mas com algumas pequenas alterações, acrescentando ervas aromáticas e especiarias, de forma que a receita se tornasse simples mas também comestível e agradável à vista.




Ingredientes: 

125 g castanha de cajú demolhadas de véspera ou durante 4 horas
125 ml água morna
2 colheres de sopa grandes de polvilho azedo
1 colher de sopa grande de polvilho doce
2 colheres de sopa de algas agar agar em pó 
1 dente de alho
sumo de 1/2 limão
1 fio de azeite extra virgem
1 pitada de flor de sal
especiarias: açafrão das indias a gosto
ervas aromáticas: tomilho e orégãos a gosto



Preparação:

Depois de demolhar as oleaginosas deitar essa água para as plantas e colocar os 125 ml de água na bimby ou liquidificadora mais os cajus e triturar tudo muito bem na vel 6 durante 1 minuto. 

Adicionar os polvilhos, a flor de sal, o azeite, o limão, o alho e uma quantidade generosa de orégãos. Triturar essa mistura na bimby na vel 9 durante 1 minuto e reservar. 

Se achar que precisa de menos água, coloque só o necessário, para não ficar com uma textura mole e aguada.  

Entretanto, levar um tacho ao lume com 100 ml de água para dissolver as algas agar agar em pó deixando ferver durante 10 minutos sem parar de mexer.

Quando as algas ficarem completamente dissolvidas e fervidas quer seja em 10 minutos ou menos, juntar à mistura do caju que ficou reservado e triturar novamente na bimby por uns 2 minutos até ficar com uma massa cremosa. 

De imediato, colocar a mistura ainda a ferver num recipiente para "queijos" e deixar arrefecer, para que mais tarde possa levar ao frigorífico até solidificar. 

Caso queira adicionar outras ervas aromáticas, pode usar manjericão ou cominhos como especiaria para dar outra côr e sabor.

Eu sinceramente, prefiro tomilho, manjericão ou óregãos secos porque conjuga muito bem com a castanha de cajú. 


Pãezinhos de Queijo Vegan




Queria muito fazer pão de queijo sem ingredientes de origem animal, mas nem sempre tinha os ingredientes certos para fazer uma receita saborosa. E como fui ao Continente esta semana acabei por comprar polvilhos doce e azedo para fazer esta receita. 

Esta semana, como tenho andado a experimentar novas formas de fazer "queijos" vegan, aproveitei para fazer estes pãezinhos que ficaram especialmente deliciosos. 

Já tinha feito uma vez esta receita com batata normal e levedura de cerveja mas não apreciei muito o sabor pois ficaram demasiado densos. 

O segredo é colocar pouco sal, ir adicionando água devagar e em pouca quantidade para não ficarem demasiado líquidos por dentro.

Podem ser consumidos ao pequeno almoço ou num lanche acompanhados por um maravilhoso chá de ervas, bem como colocar na nossa mala dentro de um recipiente e comer como snack saudável durante o dia.


O polvilho azedo é indispensável na produção de pão de queijo, de biscoitos de polvilho ou outras receitas semelhantes pois faz crescer esses ingredientes que acabam por ficar com um tom torradinho por cima. 

O pão de queijo com polvilho azedo cresce mais do que com o polvilho doce, porém, o sabor acentuado do polvilho azedo, como o próprio nome indica, nem sempre agrada a todos os paladares. No entanto, a massa fica mais compacta e de sabor suave.

O polvilho doce provém da mandioca sendo obtido por secagem solar, enquanto que o polvilho azedo é obtido pela fermentação do polvilho doce. Após esse trabalho, o polvilho azedo é submetido à secagem, que é obrigatoriamente feita por método solar. 

Naturalmente sem glúten, estas são duas excelentes alternativas para pessoas com a doença celíaca ou que seguem uma dieta com restrição ao glúten. É um ingrediente que dá bastante consistência e deixa as receitas mais macias. 

Fonte: www.nutrirfuncional.com.br


Ingredientes:

1 batata doce
1/2 chávena de Polvilho Doce (compro no Continente)
1 colher sopa de Polvilho Azedo (compro no Continente)
1 colher de café flor de sal
1 colher sopa de água
2 colheres sopa de azeite ou óleo de côco

Preparação:

Lavar muito bem a batata doce em água corrente, cortá-la ao meio, deixar a pele e levá-la a um tacho ao lume para deixar cozer até ficar bem macia. Quando terminar de cozer aguarda que fique à temperatura ambiente para ser cortada aos pedaços.

Num recipiente, colocar os polvilhos, o sal, o azeite e a água mexendo muito bem adicionando a batata doce até ficar com uma massa cremosa que fique despegada das nossas mãos.

Por cima de uma travessa faça umas bolas com essa massa, para poder levar ao forno a 180º durante uns 20 minutos, se pretender que os pãezinhos fiquem mais duros por dentro, ou então uns 30 minutos se pretender que fiquem mais consistentes.

Terminado esse tempo, retire os pães do forno deixe arrefecer e coma de imediato mornos porque sabem melhor e ficam mais saborosos acompanhados por um chá a gosto

Bom apetite.

Burguer de millet, alho francês e grão com cogumelos shitake





Quando vou para a cozinha fazer receitas vegetarianas, começo por ir ao frigorífico e vejo o que tenho por lá que possa ser cozinhado e fique delicioso. Desta vez, preparei uns burgueres vegetarianos completamente diferentes daqueles que costumo fazer. 


Lembrei-me que tinha lá no frio uns aproveitamentos de millet, alho francês já cozinhado num refogado com azeite e cebola roxa em raspas de courgete e beringela, bem como uns cogumelos shitake cozinhados com pimentos vermelhos e amarelos. 

E pensei cá para comigo, que tal juntar estes alimentos cheios de sabor num recipiente com um pouco de farinha, amido de milho e especiarias?! Podia dar nuns burgueres ou croquetes bem bons e depois congelava. 

É que por vezes, naquelas alturas que não nos apetece ir para a cozinha fazer comida ou num dia que nem sabemos muito bem o que fazer, dá sempre jeito ter umas refeições pré-feitas e se forem assim cheias de nutrientes ainda 
melhor. 

Pode fazer esta receita à sua maneira, com os aproveitamentos que tiver no seu frigorífico, basta apenas que tenham côr, sabor e que se consiga com a sua junção obter um prato nutritivo, saboroso e saudável.

Ingredientes:

1 chávena de millet demolhado de véspera
aproveitamentos de alho francês com raspas de courgete e beringela
1/4 chávena farinha de espelta branca
1/4 chávena farinha de aveia
1 colher de sopa de polvilho azedo
5 colheres de sopa de polvilho doce
1 pouco de amido de milho ( maizena)
aproveitamentos de cogumelos shitake com pimentos vermelhos e amarelos
1/2 chávena de grão cozido demolhado de véspera
especiarias: cominhos, pimentão doce, alho em pó (opcional)
ervas aromáticas: salsa ou coentros
1 pitada de flor de sal
1 folha de louro
2 colheres de sopa de óleo de côco

Para cozer o millet veja aqui
Para cozer o grão ver aqui
Depois de cozidos reservar num recipiente em separado.

Levar o grão e o millet à temperatura ambiente mais os aproveitamentos refogados num pouco de azeite com cebola roxa, folha de louro e flor de sal até à taça da bimby e triturar tudo na velocidade 4 durante uns 2 minutos. Pode fazer o mesmo processo numa liquidificadora ou semelhante.

Retirar essa massa e colocar num recipiente com a farinha de espelta e de aveia mais o amido de milho e os polvilhos para dar uma certa liga entre os ingredientes.

Verifique os temperos de forma que não fiquem salgados porque já foram cozinhados. Eu adicionei cominhos e pimentão doce porque gosto muito do sabor destas especiarias e também um molho grande de salsa lavada e cortada finamente.

Caso verifique, que a massa fica colada à mãos, pode colocar dentro do recipiente umas raspas de cenoura, um pouco de óleo de côco ou água morna para tornar a massa mais macia e cremosa.

De seguida, faça pequenos burgueres com a mão ou com um molde para esse efeito, bem como pequenos croquetes ou pataniscas e leve ao forno pré-aquecido a 180º uns 20 minutos sendo que 10 deles são de cada lado.

Pode também levar uma frigideira ao lume com duas colheres de óleo de côco e fritar uns 3 minutos de cada lado.

Os restantes que sobrarem pode congelar umas duas semanas no seu congelador e quando não apetecer cozinhar é só colocar no forno de novo para ficarem quentes e poder comer de imediato.

Acompanhe com uma boa salada de vegetais temperada com azeite, limão e tomilho, oregãos.

Bom apetite.

Bolo de Courgete com Lima e Canela





Até à data tenho feito alguns bolos que até têm saído muito bons e saborosos. Por isso, acho engraçado que quando estou para fazer um bolo de courgete, aguardo que fique diferente dos outros todos, pelo menos que fique melhor de textura e sabor ou até mesmo com outra côr. 

No entanto, por vezes não é bem isso que acontece, ou seja, uns ficam com a tonalidade dos ingredientes colocados, outros ficam maiores ou mais pequenos e outros ficam ainda com um sabor diferente de todos os outros. 

E este que fiz hoje realmente ficou diferente, apesar de não ter crescido muito, porque em vez de limão coloquei uma lima, até ficou com uma tonalidade bonita e quase nem se nota a côr verde tão própria desse ingrediente. 

Aqui fica a receita e qualquer dia experimento com outros ingredientes como alfarroba, cacau, amêndoas ou cajus.

Ingredientes (massa):

1 courgete grande (aproximadamente 340g ralada finamente e passar por um pano para largar a água)
150g de Farinha de espelta integral
150g de Farinha de espelta branca
150g de Óleo de Côco
3 colheres de sopa de sementes de linhaça para 9 colheres de sopa de água demolhadas durante 15 minutos (Ver aqui como fazer)
300g de tâmaras medjool
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento 
2 colheres de chá da raspa de 1 lima
1 colher de chá de canela em pó

Preparação: 

Num recipiente, colocar o óleo de côco, o preparado das sementes de linhaça e bater muito bem com uma vara de arames até ficar com uma textura homogénea. 

Entretanto, na bimby adicione as farinhas mais as tâmaras medjool e pulverize um minuto ou até ficar com uma mistura reduzida a pó. Junte o preparado do óleo ao preparado das farinhas e incorpore tudo muito bem. 

Coloque de seguida a courgete ralada finamente com a raspa da lima e mexa muito bem com a vara de arames durante uns segundos. Adicione o fermento em pó, o bicarbonato de sódio e a canela para fazer uma ligação entre todos os ingredientes.

Verta o preparado numa forma redonda forrada com papel vegetal ou farinha e leve a forno pré-aquecido a 160º durante cerca de 40 a 50 minutos, dependendo do forno. 

Ingredientes (Cobertura):

200 ml de água à temperatura ambiente
2 colheres de sopa farinha de espelta branca
4 colheres de sopa farinha de aveia
2 colheres de sopa óleo de côco
2 colheres de sopa cacau em pó
5 colheres de sopa maple syrup (Xarope de Ácer)

Preparação:

Levar todos os ingredientes ao lume até levantar fervura e ficar com uma massa cremosa. Se necessário acrescente um pouco mais de água. Verter o preparado por cima do bolo com o auxílio de uma espátula.

Bom apetite.

Nota: As tâmaras medjool servem de substituto dos açucares refinados, caso não tenham estas tâmaras podem usar outras tâmaras, açucar mascavado ou açucar de côco, sendo este muito mais saudável do que o anterior.

Bolachinhas de tâmaras com erva doce e raspas de laranja



Ontem fiz estas bolachinhas para o meu filho levar para a escola e poder comer ao lanche. Confesso que ficaram uma autêntica delícia de côr e sabor, e não fui só eu que mencionei este facto, quando cheguei para o ir buscar, as auxiliares e mães dos outros meninos também quiseram provar e adoraram.

Para a próxima, tenho que dobrar a receita para levar e distribuir lá na escola. Qualquer dia faço um negócio de bolachinhas veganas que vai ser uma autêntica maravilha.

Desde que senti o apelo para ficar mais saudável por mim, pela minha família e pelo universo, que quero fazer receitas novas, com texturas e sabores diferentes, mas com uma criança de 5 anos para alimentar todos os dias, que já tem gostos muito próprios e que sabe distinguir se gosta ou não daquele alimento, por vezes torna-se complicado fazer uma refeição com ingredientes desconhecidos ou que ele nunca provou.

Mas neste caso, fui completamente surpreendida, porque fiz muitas vezes estas bolachinhas quando ele era mais pequeno e ele gostava muito, mas depois deixei de fazer durante uns tempos. 

No entanto, ontem lembrei-me de fazer por causa dos lanches escolares, e não é que adorou o sabor, e agora só quer que faça a receita todos os dias.

Quando isto acontece é de deixar uma mãe cozinheira completamente feliz para o resto do dia.

Ingredientes:

500g de farinha integral (utilizei de espelta)

300g de tâmaras medjool (também pode utilizar tâmaras mazafati ou açucar de côco da Iswari Portugal)

75g de natas de arroz (para bolos)

200g de azeite (ou o necessário para a massa se soltar)

1 pouco de bebida vegetal de aveia ou amêndoa

1 colher de sopa de fermento sem glúten ou normal 

Raspa de uma laranja

1 colher de café de erva doce

flor de sal q.b.


Preparação:

Para esta receita utilizei a bimby para ser mais simples fazer as dosagens de cada ingrediente, mas se não tiverem esta máquina podem utilizar o que tiverem em casa, como uma liquidificadora.

Comecei por colocar na bimby a farinha de espelta, as tâmaras medjool e a erva doce, para serem reduzidas a farinha. Pulverizei os ingredientes para ser mais simples depois moldar a massa. Primeiro, uns 45 segundos na vel máx e depois uns segundos apenas no Turbo. Na liquidificadora ou noutra que utilizarem basta um minuto.

De seguida, juntar todos ingredientes na bimby menos a bebida vegetal, para que desta forma a massa seja amassada, durante uns 3 minutos na vel espiga e na liquidificadora podem colocar uns 5 minutos.

Entretanto, a meio do tempo, ao minuto e meio mais ou menos, vão deitando a bebida de aveia aos poucos para a massa sair das paredes da bimby e continuar a amassar. Na liquidificadora, pode ir colocando pelo bocal a bebida vegetal. 

Quando tiver terminado o tempo, colocar a massa numa superfície fria, que pode ser na bancada da vossa cozinha e com a ajuda de um rolo espalhar a massa até ficar com uma boa textura mas não demasiado fina. 

De seguida, retirar a massa da bancada e colocar por baixo papel vegetal ou outro semelhante, dispôr a massa por cima e adicionar outro papel vegetal por cima, com a ajuda do rolo estender novamente a massa, fazer formas redondas com a ajuda de um copo para fazer pequenos circulos ou desenhos.

Também pode utilizar formas com vários desenhos e formas.

Ligar o forno a 160º e colocar as bolachinhas numa travessa barrada com papel de forno durante uns 15 minutos. 

Terminado o tempo, retirá-las e colocar num recipente até ficarem à temperatura ambiente. 

Podem servir para as crianças e adultos com chá, sumos naturais e bebidas vegetais. 

Bom apetite.

Burguer de lentilhas com tremoços e millet


Na receita anterior, fiz uns croquetes de lentilhas que ficaram muito bons a nível de textura e de sabor. E então resolvi repetir a proeza e fazer com a mesma massa uns quantos burgueres de lentilhas acrescentando mais uns ingredientes: Tremoços e Millet. 

Escolhi estes ingredientes porque aprecio muito o sabor do tremoço e do millet. Se juntarmos os dois numa receita, teremos uma boa dose de cereais e leguminosas. Isso para uma alimentação vegetariana é muito importante.  

Millet ou Milho Painço é um cereal muito versátil, suave e nutritivo. Considerado um dos poucos cereais alcalinos, é uma óptima ajuda para o nosso estômago, digere-se muito facilmente e não contém glúten, o que o torna apto para quem tem problemas digestivos. 

O tremoço é uma leguminosa da mesma família da ervilha e da fava e bastante rico nutricionalmente. Possui três vezes mais proteínas e duas vezes mais fósforo do que o leite de vaca, uma quantidade elevada de cálcio, vitaminas E e complexo B, fósforo, potássio, ácidos gordos insaturados como ômega 3 e 6, ferro e fibras. 



Ingredientes:

1 Chávena de Millet demolhado de véspera
1 Chávena de Lentilhas demolhadas de véspera
1/2 Chávena de farinha de aveia ( compro no Aldi )
1/2 Chávena de farinha de espelta ( compro no Celeiro )
1/2 Chávena de tremoços sem casca
1 cebola pequena
1 dente de alho
Azeite q.b.
Flor de Sal q.b.
Especiarias: pimentão doce, cominhos, gengibre fresco, curcuma (opcional)
Ervas Aromáticas: coentros, salsa ou manjericão (opcional)


Preparação:

Para fazer o millet colocar num recipiente 3 partes de água para 1 parte do cereal. Adicionar o millet depois da água levantar fervura e cozer durante 30 minutos ou até a água ser absorvida. Reservar.

Para fazer as lentilhas ver aqui 

Num tacho ou wok colocar um pouco de azeite, a cebola cortada finamente e o alho picado fazendo um refogado para juntar à massa do preparado com as lentilhas e reservar.

Na bimby, colocar os tremoços descascados com as farinhas de aveia e espelta e triturar muito bem na vel 4 durante 1 minuto. Caso não tenha bimby, pode fazer numa liquidificadora. 

Depois juntar este preparado às lentilhas, juntamente com o refogado e o millet para fazer uma ligação entre todos os ingredientes.

Temperar com um pouco de flor de sal, cominhos, pimentão doce, gengibre fresco, amassar a massa até se despegar dos dedos, se quiser pode colocar um pouco de azeite nas mãos e moldar pequenos burgueres para levar ao forno a 150º uns 20 minutos ou cozinhar numa frigideira com um pouco de óleo de côco.

Acompanhar com mix de salada vegetal, rúcula e tomatinhos cherry. 

Bom apetite.

Croquetes de lentilhas, aveia e arroz basmati




Considero a lentilha uma das minhas leguminosas favoritas, não somente porque tem uma textura e um sabor muito característico, mas também porque me sinto muito bem quando estou a cozinhá-las, fico logo bem disposta e alegre para o resto do dia.

As lentilhas são leguminosas muito ricas em proteínas vegetais e carboidratos, estimulam a produção de serotonina, que é responsável pela sensação de bom humor e bem-estar no nosso organismo. 

Por isso, ser tão fácil cozinhar estas leguminosas, quer seja em burgueres, croquetes, bolinhos ou pataniscas. Muito versáteis, podem ser cozinhadas e convertidas em tudo o que quisermos, desde que seja feito com muito amor, alegria e humor.

Inspirei-me no meu filho para fazer esta receita, pois ele iniciou por estes dias a escola, e como tal, precisa de levar pequenas refeições, como lanches e pequenos snacks para comer nos intervalos e ao almoço. Pensei logo em fazer esta receita em croquetes por ser mais simples e fácil para ele comer. 

Se quiserem fazer a receita podem alterar esta leguminosa por outra como grão de bico, feijão frade, feijão azuki, feijão preto ou vermelho, fica ao vosso critério, eu especialmente aprecio muito estas receitas com lentilhas, grão ou feijão preto. Podem também acrescentar ao preparado legumes como courgetes, pimentos vermelhos, batata doce ou batata normal. 

No entanto, não se esqueçam de demolhar as leguminosas de véspera pelo menos umas 8 horas antes de as cozinharem, para se tornarem mais digeríveis pelo organismo evitando alterações do funcionamento intestinal.


Ingredientes:

1 chávena de lentilhas castanhas demolhadas de véspera
1 chávena de arroz basmati demolhado de véspera
1/2 chávena de farinha de aveia
1/2 chávena de farinha de espelta
1 cebola pequena
1 dente de alho
1 folha de louro
azeite q.b.
flor de sal q.b.
Especiarias: pimentão doce e cominhos (opcional)
Ervas Aromáticas: salsa, coentros ou manjericão (opcional) 

Preparação:

Para fazer as lentilhas basta deixá-las cozer num tacho com água durante uns 15 minutos. Deixar à temperatura ambiente e reservar.

Para fazer o arroz basmati, colocar num tacho um fio de azeite e uma cebola cortada finamente, deixar refogar uns segundos e adicionar de seguida a chávena de arroz, muito bem lavado em água corrente e deixar a cozinhar uns breves 10 a 15 minutos até ficar bem solto. Reservar.

Entretanto, fazer um refogado com a cebola, um fio de azeite e uma folha de louro mexendo muito bem até ficar com uma tonalidade amarelada durante uns 10 segundos. Apagar o lume e reservar.

Num recipiente, colocar as lentilhas cozidas escorridas e ir adicionando as especiarias a gosto, eu coloquei uma pitada de cominhos, um pouco de pimentão doce, e a pitada de flor de sal. 

De seguida, juntar ao preparado a farinha de aveia e espelta, mexendo com as mãos de maneira que a massa comece a descolar-se e a ficar com uma textura homogénea. 

Fazer os croquetes com as mãos para serem cozinhados em óleo de côco ou levar ao forno a 150º durante uns 20 minutos de cada lado. 

Acompanhar os croquetes com o arroz basmati e mix de salada fresca.

Bom apetite.

Pequeno Almoço Fresco e Nutritivo



Pela manhã em jejum costumo beber um copo de água morna com limão para limpar o organismo do dia anterior para depois iniciar o meu pequeno almoço.

Entretanto, escolho se prefiro fazer um batido ou um smoothie, sendo que existe uma diferença entre eles, que se baseia no liquido que se vai escolher. 

Se escolher água chama-se batido agora se a minha escolha for um smoothie já vai levar uma bebida vegetal á nossa escolha. Eu costumo utilizar bebida de arroz ou de amêndoas, de aveia, de espelta e por vezes de soja, depende dos dias e do que tenho em casa.

Passados uns 10 minutos de ter bebido a água morna com limão, começo por cortar uma fruta à escolha que pode ser banana ou maçã, acrescentar uma colher de sopa de sementes, linhaça ou chia ou 12 ou 14 bagas goji, tendo em atenção que se deve colocar apenas um destes ingredientes, não esquecendo que se deve fazer essa escolha para não sobrecarregar o nosso corpo.

Se escolher fazer um batido verde com espinafres, agrião, couve kale ou outras verduras semelhantes, tenha em atenção que esse liquido deve ser coado de forma a que toda a polpa verde seja retirada, e o que vai sobrar sirva para compostagem ou reciclar em futuras receitas. Só se bebe o que se coa e pode-se juntar umas sementes ou uma beterraba por exemplo.

Para a minha bebida matinal de hoje, escolhi os ingredientes abaixo descritos, espero que apreciem tanto como eu. 


Ingredientes:

1 copo de água
7 morangos
1/2 beterraba
1 maçã 
1 colher de sopa de sementes de linhaça devidamente triturada em forma de farinha


Preparação:

Colocar a água e os restantes ingredientes num liquidificador ou na bimby cortados o mais finamente possível juntamente com as sementes. 

Triturar de forma lenta e se fizer na bimby inicia na vel 4 para um minuto. Verificar se está do seu agrado e de seguida, triturar mais um pouco mas desta vez no modo mais rápido, no caso da bimby 1 minuto na vel 6. 

Se tiver ficado alguns granulos triturar mais um pouco, caso esteja ao seu gosto, basta colocar o batido num copo e beber lentamente. Bom apetite. 

Tofu mexido em legumes com batatinhas no forno aromatizadas por tomilho e açafrão




Fazer uma receita que inclua tofu é sempre muito engraçado e bem divertido, porque é um ingrediente muito versátil, com uma textura muito leve, podendo fazer-se quase tudo com ele na culinária vegetariana.

Já experimentei assado no forno com legumes, panados de tofu que ficam uma delícia, um dia destes tenho de fazer e colocar aqui a receita, um guisado com verduras mas ainda não tinha experimentado a versão mexido. 

Posso afirmar que fica mesmo delicioso e muito convidativo para um encontro com familiares e amigos. Há assim um leque imenso de receitas que fazem dele um ingrediente quase imprescindível na nossa culinária vegetariana e vegana.

No entanto, vários estudos recentes, apontam para este ingrediente ser cozinhado de forma moderada, já que a soja, de onde vem o tofu, está sendo modificada genéticamente. 

Por isso mesmo, é de extrema importância que se consuma mais vegetais, leguminosas ou verduras frescas e biológicas pois têm um valor nutricional muito maior. 

Costumo comprar o tofu nas lojas Celeiro Ver Aqui da marca Shambala ou Elichristi visto serem as que têm maior qualidade.

Ingredientes:

1 embalagem de tofu da marca shambala
1 courgete
1 alho francês pequeno
1 pimento vermelho pequeno
1 pimento amarelo pequeno
5 batatas brancas cortadas em meias luas
1 cebola roxa muito pequena
1 pitada de azeite
1 folha de louro
1 dente de alho sem o veio do meio
1/2 chávena de água ( se necessário )

ervas aromáticas: salsa, coentros, tomilho (opcional)
especiarias: curcuma, gengibre fresco, pimentão doce, cominhos, açafrão das indias ( escolher os que mais aprecia e adicionar aos ingredientes durante a confecção da receita )

Preparação: 

Colocar num wok ou frigideira em cerâmica a cebola, o azeite, o louro e o alho deixando cozinhar por uns minutos. Adicionar os pimentos, o alho francês e a courgete partidos aos quadrados muito finos e quanto mais finos melhor porque ajuda na digestão até alourar um pouco. 

Ir adicionando aos poucos as ervas aromáticas e as especiarias a gosto, eu utilizei uma colher de café de pimentão doce, de curcuma, de sal e um pouco de gengibre fresco, mexendo sempre até estarem bem cozinhados. 

Pegar no tofu com as mãos e desmanchar até ficar no ponto que parece "ovo mexido" e adicionar ao preparado da receita mexendo muito bem.

Entretanto, colocar as batatinhas cortadas em meias luas no meio do forno a 180º e aromatizadas por tomilho e açafrão ou alecrim e pimentão doce durante uns 30 minutos. 

Quando terminado, adicionar as batatas ao preparado do tofu e mexer um pouco até fazer a ligação entre os ingredientes. Salpicar por cima com salsa ou coentros. Bom apetite. 

Estufado de Cogumelos Shitake com Quinoa e Grão




Desde que provei pela primeira vez cogumelos shitake que fiquei maravilhada com a sua textura e sabor. São uma variedade de cogumelos muito apetecível na culinária vegetariana e vegana, podendo ser consumidos das mais variadas formas.

Pessoalmente, aprecio estes cogumelos em estufados com legumes, num arroz com cogumelos ou num delicioso risotto.

Eles são provenientes da Ásia e especialmente conhecidos pelas suas capacidades curativas. 

Considerados uma excelente fonte de selénio, ferro, proteínas, fibras dietéticas e vitamina C. Podem chegar a reduzir o colesterol menos bom e diminuir a pressão arterial em pessoas com tensão alta.

Ingredientes:

1 chávena de grão devidamente demolhada em água durante a noite
1 chávena de quinoa demolhada em água umas 8 horas
1 chávena de cogumelos shitake 
1 cenoura
1 pimento vermelho
1 cebola
1 dente de alho
1 folha de louro
azeite q.b.
1 pitada de flor de sal
Ervas aromátivcas: coentros ou salsa
especiarias: curcuma, cominhos, pimentão doce (opcional)

Preparação:

Levar ao lume um tacho com água para cozer o grão. Deitar fora a água da demolha e cozer em nova água até ficar totalmente cozido.

Num wok, fazer o refogado com um fio de azeite e cebola para cozinhar a quinoa. Deve ser acrescentado duas medidas de água para uma de quinoa e cozer uns breves 10 minutos.

Noutro tacho, colocar um fio de azeite, a cebola, o alho cortados bem fininhos e a folha de louro deixando refogar uns segundos. 

Adicionar a cenoura cortada aos quartos e o pimento vermelho bem fininho para alourar uns minutos. Entretanto, nesta altura pode-se colocar as especiarias a gosto e as ervas aromáticas para ajudar a realçar o sabor dos alimentos.

Após esse tempo, adicionar os cogumelos bem lavados e cortados em meias luas e cozinhar uns 5 minutos.

Acompanhar com rodelas de pepino doce ou mix de vegetais. Bom apetite.

O que são e para que servem as Sementes de Chia e Linhaça

Muitas pessoas perguntam-me como é que se faz a substituição dos ovos na alimentação estrita vegetariana ou vegana. Costumo fazê-lo através das sementes de chia e das sementes de linhaça mas também pode ser feita com amido de milho, bananas maduras, algas agar agar, proteína de soja, sumo de maçã natural ou manteiga de amendoim em receitas salgadas ou doces, dependendo dos ingredientes a utilizar na altura da sua confecção.

A substituição do ovo faz-se da seguinte maneira: Num recipiente coloca uma colher de sopa de sementes de chia para 1/3 de um copo de água ( aqui é criado um líquido ligeiramente gelatinoso ) mistura essa pasta e aguarda 15 minutos até utilizar. Para a substituição de mais que um ovo é só dobrar as quantidades da mesma forma.

No entanto, estas sementes não servem apenas para a substituição dos ovos, também podem ser utilizadas em batidos, smoothies, iogurtes vegetais, ou até mesmo em saladas. 

As sementes de chia são um dos alimentos mais nutritivos do mundo. Sendo uma excelente fonte de fibra, com antioxidantes e minerais, é rica em ácidos gordos e ómega 3.  Tem seis vezes mais cálcio do que o leite normal, três vezes mais ferro do que os espinafres e quinze vezes mais magnésio do que os brócolos.

Costumo comprar as sementes de Chia em diversas superfícies comerciais ou em feiras mas normalmente é no https://www.aldi.pt/ que costumo comprar com mais regularidade. 




As sementes de linhaça são consideradas as maiores fontes de ômega 3 existentes na natureza, retardando o envelhecimento das células permitindo manter a pele bonita. Melhoram a prisão de ventre, porque são ricas em fibras facilitando o trânsito intestinal. 

Ajudam a controlar o açúcar no sangue, pois a fibra que contém impede que o açúcar seja absorvido muito rapidamente. Diminuem o colesterol porque são ricas em fibras e ómega 3. Ajudam a emagrecer, já que as fibras aumentam a sensação de saciedade, diminuindo o apetite exagerado. 

Reduzem o risco de doenças cardiovasculares, porque diminuem a absorção de gordura no intestino. Diminuem os sintomas da Tensão Pré Menstrual e da Menopausa, pois contêm boas quantidades de isoflavona, fitoesteroide e lignana, que controlam as hormonas femininas.

Para a substituição de um ovo é necessário colocar as sementes de linhaça num liquidificador até obter um pó com a textura de farinha, guardar esta mistura num recipiente de vidro bem fechado no frigorífico e utilizar consoante as suas receitas culinárias. 

Por cada ovo a substituir é utilizada uma colher de sopa da farinha moída de linhaça com 3 colheres de sopa de água. Depois é só adicionar aos seus cozinhados. Se necessitar de mais ovos é só dobrar a receita da mesma forma.

Costumo comprar as sementes de linhaça em diversas superfícies comerciais ou em feiras mas normalmente é no https://www.aldi.pt/ que costumo comprar com mais regularidade. 

Fonte: www.tuasaude.com

Batido de fruta com Moringa e Couve Kale




Porque hoje faz dois meses que tenho o blog decidi fazer uma receita de um smoothie que costumo tomar ao pequeno almoço mas também pode ser num almoço, que fica muito saboroso, cheio de côr e bastante nutritivo para o nosso organismo.

Faço muitas vezes smoothies ou batidos logo pela manhã porque me fornecem todos os nutrientes, vitaminas, minerais e proteínas necessárias para começar bem o dia mais alegre e bem disposta. 

Costumo fazer com bebida vegetal ou com água dependendo dos dias mas normalmente coloco sempre uma banana e um pêssego ou outra fruta à escolha para ir variando, sendo que a banana é a fruta base porque é das mais versáteis que existe e adoro o seu sabor. 

De seguida, adiciono uma verdura ou legume fresco como espinafres, couve kale, agriões ou algumas folhas e talos de aipo.  

Acrescento as sementes de chia e as sementes de linhaça bem como um superalimento à escolha, hoje escolhi a Moringa que é muito benéfica para a nossa saúde.  

As sementes de chia são um dos alimentos mais nutricionais do mundo. Sendo uma excelente fonte de fibra, com antioxidantes e minerais, é rica em ácidos gordos e ómega 3. 

As sementes de linhaça são consideradas as maiores fontes de ômega 3 existentes na natureza, retardando o envelhecimento das células permitindo manter a pele bonita. 

A Moringa é um superalimento do ramo dos vegetais rico em proteínas, vitaminas A, B e C bem como minerais, cálcio, magnésio, potássio, sódio e fósforo. Para além disso e comparativamente a outros alimentos, possui 4 vezes mais cálcio que o leite, 3 vezes mais potássio que a banana, 4 vezes mais vitamina A que as cenouras e 7 vezes mais vitamina C que a laranja. Costumo comprar aqui

As sementes podem ser adquiridas em qualquer loja de produtos naturais ou supermercados, e eu costumo abastecer-me aqui

A Couve Kale fornece-nos uma mão cheia de nutrientes como vitaminas A, C e K, ferro, ácido fólico, ómega 3, magnésio, cálcio, ferro, fibras e proteinas. Contém apenas 33 calorias. A sua folha vegetal é rica em antioxidantes que ajudam a desintoxicar o corpo, bem como a melhorar e a proteger as células do stress oxidativo. 



Fonte: www.tuasaude.com e pt.iswari.net


Ingredientes:

1 Copo grande de bebida vegetal ( arroz, amêndoas, espelta, aveia ) ou 1 Copo grande de água 
1 Banana grande ( partida em cubos ou congelada )
1 Pêssego maduro ( cortado em meias luas )
1 colher de sopa de sementes de chia
1 colher de sopa de sementes de linhaça
1 colher de café de Moringa
3 folhas de Couve Kale fresca e crua
1 talo de Aipo 


Preparação:

Numa liquidificadora triturar todos os ingredientes durante uns segundos por forma a ficarem com uma textura cremosa. Se ficar com uns granulos triturar mais um pouco consoante o seu gosto e depois ir bebendo, agradecer ao Universo e desfrutar de mais um maravilhoso dia.